Para além do status de sobrevivente



(…) É difícil passar anos a fio na companhia de quem não nos pode ajudar a florescer. Ser capaz de dizer que sobrevivemos é um feito. Para muitas, o poder está na própria palavra. No entanto, chega uma hora no processo de formação da identidade em que a ameaça, ou o trauma, já faz parte do passado. É então que se passa ao próximo estágio da sobrevivência, à cura e ao desenvolvimento futuro.

Se permanecermos no estágio de sobrevivente e sem avançar para o desenvolvimento, estaremos nos limitando, reduzindo nossa energia para nós mesmas e nosso poder no mundo a menos de metade. Uma mulher pode sentir tanto orgulho de ter sobrevivido que esse sentimento prejudique seu desenvolvimento criativo futuro. Ás vezes as pessoas têm medo de prosseguir além do status de sobrevivente, pois é exactamente isso o que ele é – um status, um marco de distinção, uma realização(…)

Mulheres que Correm com os Lobos de Clarissa Pinkola Estés, versão brasileira, Rocco

#Biblioterapia

list.png