Ordem dos Bardos Ovates e Druidas -OBOD - Apresentação com Concerto de harpa céltica e declamação de


9 de Outubro, sexta, 19h30/21h00 na Sala de Actividades

MOVIMENTOS ESPIRITUALISTAS EM PORTUGAL - APRESENTAÇÃO DA OBOD - ORDEM DOS BARDOS, OVATES E DRUIDAS. HAVERÁ UMA INTRODUÇÃO DE HARPA E POESIA DE INSPIRAÇÃO CELTA

Alexandre Gabriel (Orientador para língua portuguesa) (Entrada livre)


A Ordem dos Bardos, Ovates e Druidas é um grupo espiritual dedicado à prática, ao ensino e ao desenvolvimento do Druidismo enquanto espiritualidade válida e inspiradora.

A OBOD tem dois objectivos fundamentais: o primeiro é ajudar cada pessoa no desenvolvimento do seu potencial espiritual, intelectual, emocional, físico e artístico; o segundo é trabalhar com o mundo natural, acarinhá-lo, protegê-lo e cooperar com ele de todas as formas possíveis – tanto de forma esotérica como exotérica.

A Ordem foi fundada em 1964 por Ross Nichols e um grupo de membros da Antiga Ordem Druídica que incluía a escritora Vera Chapman. A Antiga Ordem Druídica desenvolveu-se no início do século passado a partir do Revivalismo Druídico que nasceu há cerca de trezentos anos, traçando as suas origens até 1717. Actualmente, a OBOD é dirigida por Philip Carr-Gomm.

A Ordem dos Bardos, Ovates e Druidas dedica-se a apresentar a Tradição Druídica de uma forma totalmente relevante para as necessidades do nosso tempo, embora ao mesmo tempo esteja firmemente enraizada na sua linhagem e herança.

O termo "Ordem" deriva da tradição das Ordens mágicas e não da tradição das Ordens religiosas. Nem a Ordem nem o Druidismo se tratam de um culto. Um culto gira em torno de uma personalidade, um líder carismático, uma divindade ou um santo em particular. A Ordem e o Druidismo não têm nenhuma destas características.

A adesão à Ordem é aberta a seguidores de qualquer fé ou nenhuma, independentemente do seu género, orientação sexual ou origem étnica. Existem actualmente mais de doze mil membros em cerca de cinquenta países.

Ambos os princípios Feminino e Masculino são celebrados e encontram-se representados nos ensinamentos e na vivência da Ordem. A Ordem não é patriarcal nem favorece os homens – muitas mulheres têm papéis de liderança e mais de metade dos membros são do sexo feminino.

Embora a maior parte dos membros pratique o Druidismo individualmente, existem mais de noventa grupos por todo o mundo que oferecem a oportunidade para os membros se encontrarem e celebrarem em conjunto. Para além disso, há membros individuais e grupos que organizam encontros, retiros, conferências e workshops.

Há mais de vinte anos que a Ordem tem vindo a oferecer um curso completo de Druidismo que cobre os três graus de Bardo, Ovate e Druida. Em 2011 nasceu o ramo de língua portuguesa da Ordem, sediado na Casa do Fauno, na Serra de Sintra.

Compostos tanto por homens como por mulheres, os Druidas eram magos e poetas, conselheiros e curandeiros, xamãs e filósofos. Nos tempos antigos, os seus antepassados tinham construído círculos de pedras e veneravam a Natureza nas suas diversas facetas. Mais tarde, os Celtas combinaram os inspiradores conhecimentos esotéricos, matemáticos e de engenharia destes povos megalíticos com a sua própria arte flamejante e as suas tradições de sabedoria, criando assim o Druidismo tal como foi descrito pelos Gregos e Romanos.

Embora o Druidismo tenha sido parcialmente suprimido com a chegada do Cristianismo, continuou a existir através do trabalho das escolas bárdicas, bem como das tradições e costumes populares da Irlanda, Escócia, País de Gales, Inglaterra e Bretanha.

O século XVIII assistiu ao renascimento das práticas druídicas que foram perpetuadas até aos nossos dias.

Assim, a Tradição Druídica é antiga e representa uma das fontes de inspiração da Tradição Espiritual do Ocidente. Mas, embora seja antiga, é tão relevante e viva hoje como sempre foi. Todas as espiritualidades crescem e mudam - e o Druidismo também mudou – e vive agora um Renascimento.

O Druidismo tornou-se uma espiritualidade vital e dinâmica baseada na Natureza, que está em florescimento por todo o mundo e que une o nosso amor à Terra com o nosso amor à criatividade e às Artes. E fluindo através de todos estes novos desenvolvimentos emocionantes encontra-se a força de uma tradição antiga – o amor à terra, ao mar e ao céu – o amor à Terra, nossa casa.

Os Druidas reconhecem que toda a vida está interligada e que toda a vida é sagrada. Seguir o Caminho Druídico envolve a vivência de um sistema de ensinamentos que tem vindo a evoluir e a ser desenvolvido ao longo de muitas gerações. No coração deste sistema encontra-se a observância de oito alturas particulares durante o ano, através das quais se estabelecem relações profundas entre o indivíduo e o mundo da natureza e do Espírito. Nestas alturas, de forma individual ou em grupo, celebram-se os solstícios e os equinócios, assim como os quatro festivais de fogo. Entre cada uma destas oito festividades, aqueles que o desejem podem encontrar-se para trabalhar, estudar, meditar e desfrutar da companhia uns dos outros com a regularidade que lhes seja possível.

Contacte-os através do site www.obod.com.pt

Veja excerto da entrevista em vídeo pelo youtube a partir daqui

#QuestõeseTradições #AntónioPaiva

30 views
list.png